Ricardo Freitas - Site

Receba novidades por e-mail.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Dicas para projeto de Iluminação Residencial

LED está se tornando cada vez mais popular no Brasil, e não é para menos. Além de ser a opção mais econômica e sustentável, o LED permite que você ouse na criatividade e tenha um projeto muito mais personalizado.
Os benefícios do LED
A temperatura do vidro de uma lâmpada incandescente pode chegar a 110° celsius, enquanto a temperatura do vidro de uma lâmpada LED chega a 45°.
Uma lâmpada fluorescente gasta entre 13 e 15 watts enquanto uma de LED consome entre 6 e 8 watts.
A vida útil de uma lâmpada LED é de 55 mil horas, já a vida útil de uma lâmpada fluorescente é de apenas 8 mil horas.

Tipos de Iluminação

Já deu para ver que nós levamos iluminação a sério por aqui, não é? Agora que você já sabe que o LED pode te ajudar a economizar enquanto preserva o planeta, chegou a hora de conhecer os usos que ele pode ter na sua casa.

ILUMINAÇÃO DIRETA



iluminação direta é aquela que incide diretamente sobre uma superfície. Ela é usada quando se precisa de uma fonte de luz mais focada, como em uma mesa de estudos. Spots e abajures são os melhores acessórios para a iluminação direta, mas é preciso ter cuidado quanto à sua utilização, pois esse tipo de iluminação pode se tornar intensa e cansativa.

ILUMINAÇÃO INDIRETA



iluminação indireta é refletida por outro objeto antes de iluminar o ambiente. Essa superfície pode ser um difusor ou até mesmo a própria parede. É a forma mais utilizada em quartos e salas, pois deixa o ambiente mais aconchegante e, devido à luz mais suave, se torna menos invasiva.

ILUMINAÇÃO DIFUSA



iluminação difusa distribui o fluxo de luz uniformemente fazendo com que todo o ambiente seja iluminado. Esse efeito é possível com a ajuda de luminárias feitas de vidro ou tecidos claros.

ILUMINAÇÃO DE DESTAQUE



Muito utilizada para destacar uma parte da mobília ou da decoração do ambiente, a iluminação de destaque utiliza spots direcionados e, na maior parte das vezes, com alcance suficiente apenas para iluminar o objeto, uma vez que não é preciso iluminar o ambiente inteiro.

ILUMINAÇÃO DE ORIENTAÇÃO



Muito usada em ambientes escuros e em casas com pessoas idosas, a iluminação de orientaçãoutiliza lâmpadas embutidas no chão ou em paredes para evitar acidentes em corredores e escadas, por exemplo.

Temperatura de Cor



E o LED não serve apenas para iluminar um ambiente. Suas variações de temperatura são tantas que sua aplicação pode ter diferentes funções, principalmente com a ajuda de um dímer.
As lâmpadas LED brancas podem ser encontradas em diferentes tons, desde alguns alaranjados até outros mais azulados. Quanto maior o índice na escala Kelvin, mais azul ou fria a luz vai parecer. Quanto menor o número, mais alaranjada ou quente.
É importante lembrar que as palavras “quente” e “fria” não possuem relação com o aquecimento da lâmpada, pois o LED não irradia calor.

Índice de reprodução de cor



Índice de Reprodução de Cor, ou ICR, é uma escala que mede o grau de fidelidade com que as cores dos objetos são reproduzidas quando eles são iluminados por uma fonte de luz. Quanto mais próximo a 100 for o ICR, mais precisas serão as cores do objeto. A luz do dia é que apresenta o IRC máximo − 100 −, mas já existem lâmpadas LED no mercado com IRC bem próximo à isso.

Conclusão

A iluminação pode fazer muito mais do que levar luz a um ambiente; ela pode também influenciar o seu estado emocional, sua produtividade e até sua saúde. Não deixe para colocar uma lâmpada no teto quando o seu imóvel já estiver pronto: o projeto de iluminação deve ser idealizado antes mesmo do início da construção. Para isso, conte conosco.


A PD LED é especializada em projetos de iluminação e automação, e opera na vanguarda da tecnologia de iluminação LED e de controle.

veja mais em www.pdled.com.br

Você pode ganhar uma consultoria grátis 

em lighting design entrando em contato 

conosco!

sexta-feira, 23 de junho de 2017

HDMI duvidas sobre versão 2.0

Muito se fala sobre cabo HDMI e suas versões ...

Muitas pessoas julgam um cabo HDMI e suas versões, perguntando se o cabo está na versão 2.0. Você sabe se esta é a última versão? Se um cabo for lançado hoje e amanhã sair uma versão acima, tenho que jogar ele fora e fabricar outro?

A verdade é que o consumidor pouco se informa a respeito da tecnologia, e infelizmente, muitas revendas caem no mesmo defeito.

O consumidor espera que o integrador ou revenda, traga a informação correta, porém se esse não se preocupa com o conteúdo e só absorve o que vê em campanhas de propaganda, o mercado não se organiza e continuamos sempre com a mesma falta de informação.
Por falar nisso, o seu cabo HDMI é 2,0?
O que as pessoas precisam entender antes de mais nada, que cabo é cabo, e é um elemento passivo, ou seja ele é construído para trafegar dados, o que muda de versão são os equipamentos através do chip HDMI. 
Mas devemos atentar e nos preocupar é com a construção dos cabos, que para ser um bom condutor, precisa de matéria prima de primeira qualidade, porem muitos fabricantes na ânsia de ter mais lucro, utilizam materiais mais baratos e mais vagabundos, e no caso do cabo HDMI que trafega dados, dependendo da quantidade de informação que for enviado, ele vai bloquear o sinal, como uma via que só dá passagem para um carro, dois não passam.

Histórico da tecnologia HDMI

A tecnologia HDMI surgiu no fim de 2002, num consórcio formado pelas principais empresas de AV (Hitachi, Panasonic, Philips, Silicon Image, Sony, Thomson, RCA and Toshiba), uma empresa de criptografia e segurança (LLC) e apoiado pelos principais estúdios de cinema e redes de TV a pagamento (Fox, Universal, Warner Bros, Disney, DirecTV, EchoStar(Dish Network) and CableLabs).
Além da melhoria técnica do áudio e vídeo digital, o objetivo era proteger esse conteúdo para não sofrer cópias piratas. Esse foi o grande fator que fez a tecnologia decolar.

HDMI não são apenas cabos

As pessoas quando escutam HDMI imaginam sempre o cabo. Talvez por que este seja o único elo visível do sistema. Porém o HDMI tem uma parte igualmente importante que são os chips. Eles entendem e convertem os sinais que passam pelos cabos. Um depende do outro.
Num primeiro momento, os laboratórios falaram que somente cabos HDMI de 7 mts funcionavam. Na verdade eles estavam considerando que apenas cabos nessa medida conseguiam trafegar o máximo de dados possível, 102 Gbps.
Contudo, se eu quisesse enviar um sinal em 1080p, de um BluRay, precisaria apenas de cerca de 5 Gbps. Os testes de “olho padrão” nos ajudaram a compreender essa possibilidade, conseguimos chegar as metragens de 20 mts. Essa medida não caiu do céu, mas foi conseguida através de testes, considerando uma margem de segurança.
A fórmula de construção do cabo é simples. Mas a matéria prima e o cuidado na construção, criavam diferenças no resultado final.
Um cabo que funcionava para DVD, nem sempre funcionava para bluray, ou para jogos de vídeo game em HD. O consumidor estava ficando perdido, sem ter a quem recorrer. Devia acreditar no que estava escrito na embalagem, e muitas vezes era enganado.
Um cabo na época da versão 1.0, pode muito bem ser usado hoje, desde que tenha sido construído para suportar 10,2 Gbps.
Infelizmente, maus fornecedores, usam essa estratégia de enumerar as versões para iludir o consumidor.
As indústrias são os principais culpados por essa confusão, seguidos pelos integradores e revendas que não se empenharam em conhecer bem as especificações.
Compre cabos HDMI de qualidade, baseado no histórico do fabricante, matéria prima utilizada, suporte e confiabilidade. Esqueça o número ou a versão.

Se você gostou desta matéria, não deixe de comentar e compartilhar com seus contatos, e se quiser saber mais sobre este assunto, me envie um e-mail no endereço abaixo.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Como fazer um som ambiente em uma loja ou escritório

Quando você monta uma loja nova a primeira coisa que vem a cabeça é um Bom Som

Mas quando você solicita um projeto aparece tanta coisa e começa a surgir as dúvidas 
  • Mas onde vou colocar todos esses equipamentos?
  • Eu quero som diferente em cada ambiente!
  • Não tenho espaço para isso!
  • Ficou caro demais! 

Claro que existe soluções maravilhosas que não ocupam espaço e cabem em qualquer bolso.

A AMCP-Xtend, desenvolve soluções com tecnologia, praticidade e qualidade, tornando o som de um ambiente puro e envolvente

Dica de um projeto simples 



Um painel amplificado que cabe em qualquer caixa 4x4, composto de:



  • 1 entrada line - Normalmente usada em caso de lojas para uma saída de audio do PC tocando uma radio da internet
  • Radio FM no painel
  • Bluetooth para fácil conexão com dispositivos móveis
  • 1 entrada USB e 1 entrada SD card

Duas caixas de embutir no gesso com cone de Kevlar




Dica de um projeto avançado, lojas ou escritórios com 6 ambientes



Um amplificador Multiroom de 6 zonas composto de:


  • 6 canais de 2 x 25W de potencia por canal
  • Comando por controle remoto e ou painéis de parede
  • 4 entradas de áudio que podem ser direcionadas para qualquer ambiente
6 teclados digitais para caixa 4x2 para comando do amplificador Multiroom



12 Caixas de embutir no gesso com cone de Kevlar


Pronto, sua loja está equipada com um som de primeira geração e custo baixo, sem preencher o seu espaço com muitos equipamentos, maximizando seu espaço para exposição dos seus produtos.

Se você quiser saber mais sobre Som Ambiente para lojas comerciais, ou conhecer a linha de produtos da AMCP, envie uma mensagem no endereço abaixo


Não deixe de fazer um comentário sobre esta postagem

quarta-feira, 7 de junho de 2017

O Profissional de Audio e Vídeo e o futuro


Se você gostou deste Vídeo, não deixe de comentar e compartilhar com seus contatos, e se quiser saber mais sobre este assunto, me envie um e-mail no endereço abaixo.

Ricardo Freitas Representações

Seguidores

Pesquisar este blog